O Lápis e a Caneta - Marcas Inapagáveis da História

No universo delicado da escrita, o lápis e a caneta representam escolhas fundamentais que ecoam profundamente na nossa jornada pessoal. O lápis, com sua ponta suave e grafite maleável, nos oferece a capacidade única de corrigir nossos erros, de reescrever nossas histórias com um simples toque de borracha. A caneta, em contraste, é decisiva e irreversível; suas palavras fluem como tinta indelével, deixando marcas indomáveis em seu rastro.

Ao contemplarmos essa dualidade, somos confrontados com uma verdade essencial sobre a vida: a capacidade de apagar nossos erros não implica que as cicatrizes sejam eliminadas por completo. O lápis, embora nos permita corrigir um caminho tortuoso, deixa vestígios tênues em sua superfície de papel. As marcas apagadas ainda são visíveis, um lembrete silencioso de nossas falhas e aprendizados passados.

A caneta, por sua vez, nos ensina a abraçar a autenticidade de nossas escolhas. Suas palavras são imutáveis, e isso nos desafia a sermos cautelosos com o que escrevemos nas páginas da vida. Cada traço, cada curva da caligrafia, conta uma história única e irrepetível. Não podemos simplesmente apagar os momentos difíceis, as palavras mal escolhidas ou os sentimentos que desejamos esquecer. Essas experiências são entrelaçadas na trama da nossa existência, moldando quem somos e quem podemos nos tornar.

Assim como o lápis e a caneta, somos seres imperfeitos navegando por um mundo complexo. Aceitar nossas imperfeições, abraçar nossos erros e aprender com eles é essencial para o nosso crescimento pessoal. Cada marca no papel, quer seja apagada ou permanente, contribui para a riqueza da nossa narrativa. São testemunhos das nossas lutas, triunfos e transformações.

Next Post Previous Post
2 Comments
  • Mário Margaride
    Mário Margaride 9 de novembro de 2023 às 14:19

    Boa noite, caro Alcir,
    Artigo muito interessante e realista na abordagem que faz. Sem dúvida que estes dois elementos de escrita, lápiz e caneta, são essenciais no escrever e reescrever a sentido da vida. Embora, na sua gênesis, pareçam antagónicos . Pelo contrário, são complementares um do outro.

    Muito obrigado, pela visita e gentil comentário no meu cantinho.
    Abraço.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    • Alcir Fellipe
      Alcir Fellipe 9 de novembro de 2023 às 15:18

      Olá Mário, boa noite !
      Fico imensamente grato pela sua participação aqui no meu blog. Conheci o seu cantinho, rico em poesia e pensamentos, já salvei até, sempre que possível passarei no seu espaço, pois me acrescenta muito.

      Exatamente, o lápis e a caneta, embora possuem capacidades distintas, complementa um a outro e isso pode ser aplicado em um contexto "similar" a nossa vida, onde erros são reparados (lápis), mas suas marcas continuam, e erros que jamais deveriam ser cometidos (caneta), pois, esses não se apagam facilmente.

      Abraços
      Alcir Fellipe

Add Comment
comment url